NEWS

Post Top Ad



29 de agosto de 2023

Médica do SAMU deixava garrafa d'água sobre teclado de computador para fingir que estava trabalhando, diz coordenador

 

Uma das táticas usadas para burlar o controle do ponto de médicos na central do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Porto Alegre foi revelada em reportagem da RBS TV por Jimmy Herrera, coordenador do serviço: segundo ele, uma das médicas envolvidas na fraude deixava uma garrafa d'água sobre o teclado do computador quando se ausentava do trabalho para manter teclas pressionadas. Com isso, o computador não desligava e nada era registrado no sistema.





Segundo ele, a tela é desconectada do sistema após 10 minutos sem uso, e isso fica registrado. Assim, médicos que se ausentam por muito tempo precisam dar explicações.




No domingo (27), reportagem do "Fantástico" denunciou irregularidades no cumprimento de escalas. Nesta segunda-feira (28), a Secretaria Estadual de Saúde (SES) anunciou a abertura de sindicância, auditoria e implantação de novos mecanismos de controle na central de regulação do Samu, como câmeras.





O médico que coordena a central admite que sabia da fraude e acusa a direção de não ter tomado providências. Ele conta também que um médico chegou a apresentar 12 atestados falsos para cumprir horário menor do que o contratado.





"Prontamente reuni tudo, falei com a médica que provavelmente estava sendo lesada com o carimbo e o receituário, levei para o [Eduardo] Elsade [diretor do Departamento de Regulação do RS]. Ela disse que achava um absurdo, chorou. Foi aberto processo administrativo e essa médica pediu exoneração", diz Herrera.





Medidas
De acordo com a apuração, em média, a cada 100 horas de trabalho contratadas junto a médicos, os especialistas não cumprem 60, recebendo pela totalidade da carga horária.





Há indícios de que a chefia da Central do SAMU abonava as faltas irregularmente, alegando na folha de pagamentos que havia "problema na marcação pelo relógio de ponto".






A central de regulação do SAMU atende aos chamados, via telefone 192, de 493 municípios do RS. Em 269, os médicos também são responsáveis por despachar as ambulâncias e indicar os hospitais para onde os pacientes serão levados.




Nesta segunda-feira (28), a secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann, gravou um pedido de desculpas. A sindicância aberta pela pasta para apurar o caso tem prazo de 30 dias para ser concluída. Um sistema de câmeras e catracas para controlar entradas e saídas no local também deve ser instalado.





Por enquanto, os médicos flagrados na reportagem não serão afastados. O coordenador médico Jimmy Herrera e o diretor Eduardo Elsade também continuam nos cargos.




Em nota, o Ministério da Saúde informou que pode suspender os repasses de R$ 25 milhões por ano ao SAMU, caso as denúncias forem comprovadas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad