NEWS

Post Top Ad



27 de junho de 2023

1 em cada 17 adultos usou drogas em 2021, diz ONU em novo alerta sobre o tema

 

Em seu mais recente relatório sobre drogas, a ONU alerta para aquilo que considera “consequências catastróficas” do uso acelerado de substâncias, em especial as sintéticas, e afirma que o controle do Talibã no Afeganistão e a Guerra da Ucrânia devem ser considerados nesse debate.



Em 2021, mostram dados divulgados no domingo (25), uma em cada 17 pessoas de 15 a 64 anos usou drogas, somando 296 milhões de usuários –23% a mais do que dez anos atrás. O crescimento está relacionado ao aumento da população global, mas não apenas.




Chama a atenção também o salto no número de pessoas que usaram drogas injetáveis naquele ano: 13,2 milhões, 18% a mais que em 2020. O aumento, em partes, deve-se a novos dados disponíveis sobre os EUA, um dos protagonistas no uso e no tráfico de drogas no mundo.




A maconha segue como a droga mais usada, com estimados 219 milhões de usuários em 2021 –4,3% da população adulta global. Ainda que a maioria dos usuários seja de homens (70%), a divisão de gênero tem mudado em algumas regiões: mulheres são 42% das usuárias na América do Norte, por exemplo.



Estima-se também que, naquele ano –o último com dados coletados pela ONU–, 36 milhões de pessoas tenham usado anfetaminas; 22 milhões tenham usado cocaína e e 20 milhões tenham usado ecstasy.




Enquanto o contato com as substâncias se amplia, o acesso a tratamento para os que necessitam recua. Estima-se que quase 40 milhões de pessoas sofriam de transtornos por abuso de drogas em 2021, mas apenas uma em cada cinco pessoas receberam tratamento.



O quadro, diz a ONU, está relacionado à pandemia de Covid que, àquela altura, ainda convivia com cifras expressivas da doença. De 46 países que usualmente compartilham dados sobre o assunto, 40% registraram declínio no número de pessoas acessando tratamento.




As Nações Unidas chamam atenção especial para um crescimento contínuo da demanda e do fornecimento de cocaína. O cultivo de coca ocupou mais de 315 mil hectares em 2021, e a produção global de cocaína superou 2.300 toneladas –ambas cifras recorde.




“Testemunhamos um aumento contínuo no número de pessoas que sofrem de transtornos por uso de drogas em todo o mundo, e o tratamento não chega a todos que precisam”, disse a egípcia Ghada Waly, diretora-executiva do escritório de drogas e crimes da ONU.




“Precisamos intensificar respostas contra narcotraficantes que exploram conflitos e crises globais para expandir o cultivo e a produção de drogas ilícitas, especialmente sintéticas, alimentando os mercados ilegais e causado danos a pessoas e comunidades.”



Waly se referia à outra importante parte do relatório que, ademais dos dados, alertou para o impacto que novos e antigos conflitos regionais podem ter para a produção de drogas. O novo relatório da ONU aponta por exemplo para implicações preocupantes na Bacia Amazônica, que abrange países como Brasil, Bolívia e Colômbia.



A organização afirma que está se intensificando a tendência do “narcodesmatamento” na região, que descreve como a destinação dos lucros do narcotráfico para a especulação fundiária, “representando um grande perigo para a floresta tropical e os povos indígenas locais”.




O material afirma que, ainda que o narcotráfico seja apenas uma das múltiplas atividades ilegais de grupos criminosos na 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad