03 de outubro de 2018

Brasil – Casal celebra 30 anos de casamento em UTI: (Vou com ele até o fim)


Juntos há 30 anos, João Rodrigues Pereira, de 55 anos, e Maria Madalena, de 46, reafirmaram o casamento trocando alianças na última Terça-Feira (24). Mas a história deles não venceu apenas o tempo, mas também tem ajudado Pereira a enfrentar uma doença neurodegenerativa: A esclerose lateral amiotrófica. A cerimônia, que emocionou parentes e toda a equipe médica, foi realizada na UTI de um hospital particular de Palmas, onde o marido esta internado há quase dois anos. Emocionada, a professora Maria Madalena lembra do início do casamento, quando tinha 16 anos. Ela diz que o relacionamento foi selado para a vida toda. “Ele é o grande amor da minha vida. Temos toda uma história de vida e vou com ele até o fim”, conta.
No leito da UTI, eles comemoraram aniversários, ceias de Natal e agora reafirmaram o matrimônio.
“Eu não conhecia nada sobre a doença. No início, eu pensei que fosse exagero do médico quando falou que ia perder os movimentos, fala, respiração só não perderia a capacidade de pensar. E tudo se concretizou, mas ele continua lúcido, o mesmo de sempre. Hoje, faço o possível para os dias dele serem melhores.”
“As pessoas precisam entender que o amor não é só o carnal. Fico ao lado dele para dar alegria”, disse a professora, afirmando que as relações atuais são muito passageiras e não têm força para enfrentar as adversidades.O casal tem quatro filhos e dois netos, mas o hospital ficou lotado de parentes e funcionários que acompanharam a cerimônia, com direito a bolo e troca de alianças. Até o padre de Silvanópolis foi convidado e celebrou a renovação dos votos.
“A equipe do hospital sempre foi sensível e atenciosa desde quando ele foi internado. Conversamos com a psicóloga e a direção que permitiram fazer a cerimônia porque ele não pode sair, respira com ajuda de aparelhos. Todo mundo ficou emocionado, os médicos, enfermeiros, todos choraram.”
João Rodrigues descobriu a esclerose em 2012. Os médicos afirmaram à família, que a expectativa de vida para pacientes com a doença é de três a cinco anos. Por isso, a professora diz que cada dia ao lado do esposo é lucro. “Ele já ultrapassou esse limite. Cada dia é uma vitória, é lucro.”

Posts Relacionados